Translate

Pessoas Inteligentes

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Lição 02 - O Propósito do Fruto do Espírito - ADULTOS


INTRODUÇÃO
I - A VIDA CONTROLADA PELO ESPÍRITO
II - O FRUTO DO ESPÍRITO EVIDENCIA O CARÁTER DE CRISTO EM NÓS
III - TESTEMUNHANDO AS VIRTUDES DO REINO DE DEUS
CONCLUSÃO

Na lição do próximo domingo estudaremos “o propósito do fruto do Espírito”. Propósito significa aquilo que se busca alcançar, objetivo. Tudo que Deus faz tem uma finalidade, logo existe também um intento para que o crente tenha uma vida frutífera: Glorificar o Todo-Poderoso. “Nisto é glorificado o meu Pai; que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos” (Jo 15.8). É importante ressaltar que na lição temos duas palavras-chave: propósito e fruto. É sempre bom destacar as palavras-chave do texto, pois nos ajudam a ter uma compreensão melhor a respeito do tema. 

Para ajudá-lo na reflexão do tema da lição, sugiro que você leia todo o capítulo sete do Evangelho de Mateus, embora para o texto da Leitura Bíblica em Classe, tenham sido escolhidos apenas os versículos de 13 a 20. O capítulo sete é uma continuação do Sermão da Montanha, um dos sermões mais importantes do Senhor Jesus. Este sermão é um código de ética para todos os súditos do Reino de Deus, por isso, todo crente precisa conhecer e viver os ensinos do Mestre. Ao proferir o Sermão do Monte, Jesus deixou explícito que os valores do Reino são eternos e diferem dos valores dos reinos terrenos. Os reinos deste mundo buscam riquezas, poder, fama, todavia os súditos do Reino dos Céus buscam aquilo que é eterno e que agrada a Deus e ao próximo, ou seja, buscam produzir frutos de justiça (Mt 3.8). 

Por ser uma continuação do Sermão do Monte, o capítulo sete inicia tratando a respeito da forma como abordamos e nos relacionamos com as pessoas. O Mestre adverte que seremos tratados da mesma maneira como tratamos os outros (Mt 7.1). Se você é uma pessoa crítica, que tendem sempre a julgar os outros, você também vai experimentar, em algum momento da sua vida, do mesmo julgamento. 
Nos versículos 13 e 14, Jesus ensina a respeito dos “dois caminhos”: o largo e o estreito. Um vai conduzir à vida e o outro à morte. É importante ressaltar que a escolha do caminho é do homem. Deus não obriga ninguém a entrar pela porta estreita ou pelo caminho que conduz à perdição. A decisão é sempre nossa; isto é livre-arbítrio. Podemos escolher o bem e o mal, o caminho estreito ou o largo. Os dois caminhos não são um conceito que aparece apenas em o Novo Testamento, na Nova Aliança. Podemos ver tal ensinamento já no Antigo Testamento (Dt 11.26-28; 30.15-20; Sl 1.6; 119.29,30; Jr 21.8). Temos um Deus bondoso e amoroso que coloca sempre diante do seu povo as escolhas. Não temos um Senhor tirano que nos impede de pensar e escolher. Contudo, vivemos em uma sociedade hedonista, onde em geral, as pessoas tendem a escolher e tomar o caminho mais fácil e que dá prazer imediato. Todos querem a felicidade a qualquer custo, mesmo que para isso, tenha que ferir o próximo e violar os princípios de Deus. O caminho mais fácil pode até trazer certa alegria e bem-estar momentâneos, mas ele conduz à morte física e espiritual. Já o caminho estreito e a porta apertada exigem renúncia, pois é um caminho restritivo. Abrir mão de algo (seja convicções, bens materiais, sentimentos) é sempre difícil, mas entrar pela porta estreita significa ter que abrir mão de algo, principalmente da velha natureza adâmica. O caminho da frutificação é o caminho estreito. Para frutificar precisamos ser limpos, podados, ou seja, aquilo que atrapalha nosso crescimento e frutificação precisa ser arrancado de nosso interior. 

Nos versículo 15 a 23, Jesus vai tratar a respeito dos falsos profetas. Estudar e analisar estes textos bíblicos é bem oportuno, pois estamos vivendo tempos difíceis, onde muitos falsos profetas têm se levantado. Estes, com seus falsos ensinos, têm conduzido muitos ao “caminho largo”. Porém, Jesus nos adverte a respeito dos falsos profetas e nos ensina como podemos distingui-los dos verdadeiros. O Mestre nos mostra que os falsos profetas somente podem ser identificados por seus frutos, suas ações (v. 20). O Senhor Jesus deixou bem claro que os frutos são a prova, infalível da autenticidade de um ministério. Fruto no texto de Mateus refere-se a caráter. Um falso profeta pode até ter uma grande habilidade linguística, em geral eles são bem eloquentes. Eles têm folhas bem vistosas, mas se olharmos com atenção vermos que não existem frutos. Podem até realizar alguns “milagres”. Mas não tem como esconder o seu real caráter por muito tempo. Nossas ações têm o poder de evidenciar o caráter de Cristo em nós. É importante ressaltar que no versículo 22, Jesus afirma que no Dia do Senhor muitos dirão: “Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu nome, não fizemos muitas maravilhas?” (Mt 7.22). Para que não sejamos enganados com os discursos fingidos dos falsos profetas precisamos conhecer a Verdade, a sua justiça e a sua Palavra. 

Podemos concluir afirmando que todo cristão precisa ter uma vida frutífera. Aqueles que estão em Cristo, que foram transformados por sua maravilhosa graça dão sempre bons frutos. O propósito do fruto é que o nome do Senhor seja glorificado e que pessoas, ao observarem nosso caráter, desejem entrar pela porta estreita, o caminho apertado.

SUGESTÃO DIDÁTICA:

Providencie algumas cascas de frutas, como por exemplo, cascas de maça, limão, laranja, tangerina, banana, cajá, manga, abacaxi, etc. Coloque cada casca em um saquinho preto ou caixinha, de modo que os alunos não vejam a que fruta pertence. Peça que um aluno por vez, e com os olhos vendados, cheire o interior do saquinho ou caixinha e tente descobrir a que fruta pertence aquele aroma. Depois, leia com os alunos Lucas 6.44. Explique que cada árvore é conhecida por seus frutos. Não dá para identificar uma árvore apenas por seu aroma. Comente que os frutos representam nossas ações, atitudes, caráter. Quando somos cheio do Espírito Santo e permitimos que Ele trabalhe em nosso caráter, passamos a produzir o fruto do Espírito (Gl 5.22). Quem não vive segundo o Espírito e se deixa levar pela velha natureza, produz frutos podres e exalam um aroma desagradável. Para concluir, peça que os alunos — sem utilizar a Bíblia ou a revista — relacionem os nove aspectos do fruto do Espírito segundo Gálatas 5.22.

Por Telma Bueno

Fonte: CPAD - Lições Biblicas

As + "Como Águia me Renovo"